Um Ataque de Lixo - Palavras Apagadas da Fortaleza do Morfolixo

4 de dezembro de 2017 |



A seguinte cena fora o primeiro final alternativo para o Capitulo 2. Esta fora removida do Capitulo em questão porque achei que as personagens não seguiram suas reais personalidades, seria uma cena demasiado forçada, rápida no enredo e inútil em si, sem qualquer nexo, além de considerar mal escrita e com o uso de magias por parte dos seus feiticeiros mal estruturadas.
Algumas das suas descrições foram reutilizadas em Capítulos futuros (e assim neles melhoradas), mas a essência da sua trama deixada totalmente de lado.

 A mesma introduzia logo um dos Antagonistas do Livro de um modo que para mim fora extremamente desagradável, além da primeira participação da tia Judy e da tia Lucy. Também explora um pouco mais a personalidade de Lyndis e a relação que esta tem com Iara e com a princesa. além de ter mantido o mentor Franklin em cena durante mais algum tempo.

Basicamente, esta cena apagada ocorria logo depois da mordoma se aperceber das atuais horas daquele dia ao notar que já era Almoço, surgindo logo de seguida uma emergência súbita no palácio envolvendo uma batalha contra um Morfolixo. Ela recebeu cerca de 2500 palavras até o momento que me apercebi do meu fracasso, depois a mesma fora descontinuada.



Um Ataque de Lixo
Cena removida do Capitulo 2

(...)
- Almoço? Já? – A mordoma olhava confusa ao seu redor, acabou situando as sua visão sobre um grande e antigo relógio de pêndulo que existia numa certa área no corredor, uma das mais ricas relíquias do palácio, este marcava precisamente o meio dia seguindo naqueles instantes pelo som de suas respectivas e poderosas badaladas, a mordoma coloca então a mão na sua cabeça, em choque – O tempo passa realmente a voar nesta história!… Eu estou agora super atrasada com os meus deveres! Eu devia estar a ajudar na cozinha! E nos preparativos para amanhã! Eu…
- A Iara sendo irresponsável?!… Que novidade interessante!… - Lyndis apenas ria com tal situação e nervosismo da Sonnure.

O som súbito de alguns sinos começou a ecoar fortemente em todo o palácio, a princesa assustou-se com tal, mas logo acalmou-se, Iara manteve-se muito alerta naqueles instantes e agarrou a mão da princesa, já Lyndis  ficou extremamente nervosa com o som alto e majestoso que não anunciava novidades boas. Alguns guardas começaram a correr até o exterior e o velho, elegante e vazio corredor imediatamente cheio de guerreiros em movimento prontos para enfrentar o perigo que ai vinha e proteger fielmente a família real.

- Deve ser apenas mais uma simulação para testar o sistema de segurança… - A princesa dizia inocentemente enquanto observava toda a agitação.
- Eu lamento estragar suas espectativas princesinha mas… Não… Agora é a sério! – A gata apenas tremia de pavor  enquanto se escondia atrás das pernas de ambas, como se de um cão cobarde ela se trata-se.
- Algo interessante apareceu?! - A Sonnure começou a sorrir muito com a situação – Ainda bem! A vida já estava chata!

Lyndis empurrou tanto Iara como Agnes para dentro da sala de aulas do senhor Frank de uma forma um pouco violenta, agora estas não iriam incomodar os movimentos que os cavaleiros realizavam no corredor e podiam estar num local considerado mais seguro. Franklin encontrava-se numa grande varanda que existia naquela divisão e observava o exterior bem atenciosamente. As três então se dirigiram rapidamente até este.

- Não era caso para tanto barulho furador de tímpanos! É só aquele adolescente estranho novamente – Franklin suspirava e começava a reclamar por algo – O rei gosta realmente de exagerar… E aquele bastardo não é assim tão perigoso!
- Adolescente estranho?... Deixa-me adivinhar… - A mordoma Iara começava a sorrir sarcasticamente – O Haste do Chamamento?
- Acertou em cheio! - Franklin apontava para determinada área fora da muralha que dividia os jardins do palácio e monte em si da pequena cidade vizinha, era longe mas notava-se claramente que nessa mesma zona se concentravam grandes grupos de guardas.
- E eu pensava que era algo mais… Sério… Esse rapaz é um grande chato! – Iara dava um suspiro.
- Nunca conseguem capturar esse invasor estúpido…  – Lyndis também suspirava – Bando de incompetentes…
- Isto tinha que acontecer logo na hora do almoço… - Franklin também dava um suspiro impaciente.
- Ele não tem mais nenhuma opção senão fugir! - Iara começava a rir muito com aquele assunto – Vem aqui quase todos os dias durante os últimos dois anos tentar invadir o palácio mas… Coitado… Seus fracassos já estão a ficar algo de muito aborrecido… Será que nada de interessante e diferente realmente acontece nesta história?
- Eu me pergunto… Se durante esses dois anos ele viu que aquilo que ele quer já não vale a pena… E se ele aparentemente é um grande preguiçoso… Como é que ele ainda tem vontade de vir até aqui? Que idiota de fracassado… – Lyndis igualmente dava gargalhadas.
- Teletransporte sua parva, é lógico! – Iara fora muito direta nas suas palavras – Como achas que ele consegue sempre fugir dos guardas e aparecer ali no nada?
- Se ele sabe utilizar esse tal Teletransporte como é que ele ainda não entrou aqui dentro sua bruxa?
- É uma magia que não funciona assim de modo tão simples... É uma parte de Ilusionismo muito complexa… - A mordoma Iara fechava seus olhos impaciente, notava-se que esta realmente entendia de tal assunto.
- Da forma que ele é malandro, achas mesmo que aquele gajo tem vontade de fazer coisas complexas? Ele não é igual a ti que passa a vida a inventar trabalho!
- Inventar trabalho? Desde quando é que eu invento trabalho? Podes-me explicar? – A mordoma pareceu bastante ofendida com aquelas palavras da sua colega de trabalho.

Tanto Iara como Lyndis começaram a discutir sobre tal assunto, a princesa começou a olhar ao seu redor, tentando ignorar tal discussão que quase mudava para algo mais físico, ignorando então este, ela parecia procurar algo ou alguém.

- Onde está o Almôndega? – Interrogou.
- Estava no seu quarto… Acho eu… - A Sonnure parava repentinamente de discutir com Lyndis, deixando esta a falar sozinha, de seguida ela colocou a mão na cabeça bastante seria e pensativa – Eu cá não vou estar aqui a ver esse filme forçado, tenho muito trabalho VERDADEIRO a fazer… E já agora, quando este, inconveniente, terminar, que como costume, vai ser rápido, será quando todos podem ir almoçar logicamente… Até logo meus amores!
- Amores?! Que desavergonhada… - A gata humanoide realizava uma cara de nojo em sua face á medida que olhava para a mordoma Iara que se retirava da sala, porém esta para repentinamente para e começa a observar Agnes, sua face demonstrava muita insegurança de certo modo.
- Pensando melhor… Ficarei aqui com a princesa… - Iara parecia assustada por algum facto repentino ou misterioso.

O mentor Franklin continuava a observar a situação ao longe de um modo bastante silencioso, ele reparava numa bola de pelo com antenas no meio do pátio, perto do local onde ocorria todo o conflito.

- Aquele não é o seu Dreamur? – Ele chamava a atenção da princesa.
- Sim… - Agnes ficava extremamente preocupada ao observar o seu pequeno e amado Almôndega mesmo ao lado do perigo.
- Quando aquele rapaz começar a chamar os seus monstrinhos e usar seus poderes, o Almôndega pode correr grave perigo… - O mentor analisava uma das possibilidades da situação.
- Se o bola de pelo morrer, menos porcaria dentro dos quartos e menos coisas para as empregadas do palácio se preocuparem em limpar! – Lyndis ria de uma forma muito arrogante e satisfatória.
- Daqui a nada… O pior… - Iara estava de facto estranha, colocava a mão na boca muito preocupada enquanto também observava ao longe o mascote peludo da princesa.

Depois de ouvir tais palavras, Agnes então não pensa duas vezes, começava a correr pelo palácio inteiro de modo desesperado, por onde passava tentava sempre desviar dos guardas que estavam no seu interior como reserva ou para alguma outra urgência ou estratégia, estes no momento tentavam impedir toda a realeza e todos os inocentes encontrados dentro do palácio de avançar até a área do perigo.

- O quê?... Agnes, VOLTA AQUI IMEDIATAMENTE! – Iara gritava e parecia desesperada de forma enigmática, esta começava a correr atrás da princesa com muita aflição. Depois de algum tempo e com muito esforço ao se libertar dos guardas, Agnes consegue finalmente chegar ao exterior, a sua mordoma chegava ao lado desta bastante preocupada e cansada por tal atitude.

- Almôndega! – Agnes corria até a criatura peluda e o abraçava com muita força – Não fuja para aqui durante uma situação destas está bem?
- Agnes?! Porque fez isso? – Iara agarrava o braço da princesa, e a puxava para tentar a levar de volta ao interior do palácio com muita aflição – Vamos para dentro querida, rápido! Antes que aquilo aconteça…
- Aquilo o quê? – Ela conseguia soltar-se das mãos de Iara e questionava.
- Vossa Alteza! Dona Iara! Voltem para dentro imediatamente! A situação vai ficar seria daqui a nada! – Um Telquine com uma armadura se aproximou de ambas, pela forma e comportamentos inseguros ele era claramente o guerreiro Endiock Howell.

Com seu animal de estimação em mãos são e salvo, a princesa decide respeitar tais pedidos e então acompanhada pela sua mordoma dá uns rápidos passos atrás em direcção ao grande elegante edifício, mas repentinamente um brilho intenso surgia, um circulo repleto de símbolos macabros e constituído por uma intensa luz negra imensa era rapidamente desenhado no chão, ambas reparavam numa grande criatura medonha que surgia através de pura e simples magia em frente a estas.
Um cheiro estranho e intenso era logo sentido, tal figura repugnante encarava o grupo de guardas, a mordoma e a princesa com uns olhos extremamente vermelhos e macabros, eram duas pequenas esferas encarnadas situadas numa cabeça criada através de lixo. A sua estrutura lembrava um lobo ou um cão gigante com o corpo totalmente constituído por lodo, gosma e muitos resíduos aleatórios e negro á mistura, muito nojento á primeira vista além de terrivelmente assustador e fedorento.

A princesa ficava com muito medo, nunca tinha encarado um monstro daquela dimensão e daquela forma, ao contrário do seu Dreamur que parecia estar a adorar a presença daquela criatura horripilante, Agnes o abraçava com força para este não se soltar e causar mais problemas.

- Está na hora de recuperar a honra da minha família… Ou pelo menos tentar… - A princesa de Dreamian ouvia uma voz, não era uma voz vinda daquela criatura pois aparentemente esta não falava, mas Agnes não conseguia ver quem originalmente era devido á quantidade de guardas que estavam ao redor desta e de toda aquela área para tentar proteger sua senhora, toda a realeza e acabar e enfrentar aquele monstro.
- Um Morfolixo?... – Endiock posicionava-se em frente aquela grande criatura na tentativa de proteger sua senhora e o seu mascote, ele agarrava e apontava sua espada, tremia extremamente inseguro por estar no meio de uma situação bem séria.
- Invocar é algo muito… Cansativo… Eu agora estou cheio de… Tédio… - A princesa ouvia novamente a tal voz enigmática, pela forma como pronunciava as palavras, o mesmo pareceu bocejar, além de falar extremamente devagar – Vou deixar vocês ocupados com meu amiguinho de lixo enquanto eu vou voltar para casa dormir… Estou cheio de sono… Conseguirei aquilo, pode não ser hoje, mas será noutro dia!... Adeus!
- Não o deixem fugir! – Um dos guardas, pela forma do corpo e cor da armadura que utilizava, era alguém de estatuto mais elevado e devido a tal quem ordenava a todos os outros, alguns dos cavaleiros então logo obedeciam e com suas armas corriam contra o invasor.

Apesar de tudo foi tarde demais, a pessoa misteriosa e oculta envolveu-se num manto de luz inexplicável e desapareceu assim sem deixar nenhum rasto visível.
O grande monstro de lixo então começava a atacar ferozmente em direcção á dama e á sua mordoma, os guardas rodearam velozmente estas, todos eles eram os guerreiros mais poderosos de Dreamian, a magnifica Guarda Real, porém o monstro era extremamente poderoso e de modo impressionante estes lutavam igual por igual.
Endiock fechou os olhos, tentou acalmar-se e ganhou coragem, logo de seguida apoiava sua cauda de sereia no chão, criou assim um impulso que o fez saltar muito alto em direcção á besta, com sua espada conseguiu perfurar e cortar uma parte do corpo de lixo e lodo, o chão logo ficava coberto de uma grande sujeira causada pelos restos removidos do corpo da besta, este não sentia dor e magicamente regenerava a parte do seu corpo que se desintegrou devido a tal golpe.
O demónio esticou o seu corpo, era muito elástico, este movimentava-se rápido e seu corpo podia sofrer mutações impressionantes, aumentar ou diminuir o seu tamanho, esticar e se torcer completamente, sem sentirem nenhuma dor, além de mudar a sua forma para aquilo que quisessem.
Ele esticou o seu braço de lodo contra os guardas, eles saltavam e perfuravam o lixo com suas armas, mas nada faziam, a besta continuava a atacar ferozmente, e em instantes inúmeros daqueles guerreiros caíram feridos no chão, incluindo o próprio Endiock.

- Parece que hoje os poderes daquele garoto atingiram um nível extremamente superior… - A mordoma pronunciava calmamente enquanto encarava tal besta, ela logo de seguida abraçou Agnes, a mesma ficou muito tímida por tal ato, já Almôndega começou a sorrir e a lamber o nariz achatado da nobre Sonnure com bastante carinho – Desta vez eu não cometerei o mesmo erro que cometi com ela…

Logo depois de tal breve e carinhoso abraço, Iara distanciou-se dela e então levantou seus braços em direcção á gigantesca besta, suas mãos absorveram uma energia imensa vinda dos céus e uma esfera de luz era criada, a mesma disparou um poderoso raio de energia contra o corpo do lobo mutante, o mesmo explodia deixando tudo e todos cobertos de lodo.
Porém todo o lixo espalhado voltou a rastejar até certo local, onde reuniu-se e novamente formou a criatura, o mesmo pareceu mais fraco. A mordoma deu então uns passos atrás enquanto observava tal besta a se recompor.

- Tola – Uma voz ria.
- Todos sabem que a fraqueza dos Morfolixos é entre os olhos, o principal ponto de energia da criatura localiza-se nesse local. – Outra voz dizia e aparentava vir da mesma direcção da anterior.
- Eu sei! Só estava a criar um clímax para tudo parecer mais interessante nesta história – A mordoma respondia ironicamente ás falas de duas misteriosas pessoas que apareciam em cima da grande muralha de modo sinistro – Eu não o quero matar, vou o devolver ao sitio onde ele realmente pertence.

A mordoma abria novamente os seus braços, com vários gestos desenhava magicamente um círculo de luz com diversos símbolos no chão á distancia, mesmo debaixo das garras de lodo da besta, era muito semelhante ao desenho inicial que invocara tal criatura, assim esta era aos poucos absorvida por tal desenho mágico, apesar de resistir a todo aquele poder, notava-se que o mesmo sofria muito, devido a isso a mordoma fazia um grande esforço para aprisionar tal criatura, depois de alguns minutos de resistência e luta para se soltar de tal ritual, este acabou por ceder e então desapareceu por completo, sendo assim selado através de um circulo mágico.
Depois de terminado tal magia e a criatura finalmente derrotada, Iara ajoelhou-se, parecia extremamente cansada, pois era certo que o uso de tal poder absorvia imensa energia.
A princesa aproximou-se da sua mordoma e aparentava estar preocupada pela situação desta, ambas as figuras desceram da muralha onde se encontravam com um simples salto, caíram levemente no chão mesmo ao lado da jovem dama e da sua empregada.

- Gastei muita da minha energia… Parece que meu corpo já não aguenta estas magias, estou a ficar realmente velha… – Iara estava ofegante.
- Pare de ser tola, só tens trinta e cinco anos, ao contrário da minha amiga que está na casa dos cinquenta! – Uma das figuras começava a rir, a que estava ao seu lado dava um soco no braço desta, muito chateada por ouvir tais palavras.

A princesa encarou ambas atenciosamente, eram duas mulheres bastante familiares para esta, uma era alta e muito magra, já a sua companheira era mais baixa de altura e com peso a mais.

- Tia Lucy e tia Judy? – A princesa questionava, dava um pequeno sorriso muito tímido, era muito raro Agnes sorrir, mas sempre que ela o fazia demonstrava uma energia encantadora, tal sorriso era realmente magnifico, especialmente ao seu acompanhado com o brilho de seus deslumbrantes olhos azuis.

Ambas utilizavam uma roupa igual, era um manto negro que lembrava trajes de assassinos e um capuz sobre a cabeça e uma longa capa heróica que esvoaçava com as rajadas de vento de forma bastante elegante. A tia Judy era a mais alta, o que mais se realçava em seu corpo eram as costas, extremamente grandes e largas, lembrava muito uma corcunda, porém andava perfeitamente normal de coluna reta, era como se tivesse alguma coisa que quisesse esconder do mundo atrás de si usando as suas vestes negras, algum grande defeito talvez.
As duas nunca gostaram de se relacionar com a realeza e sempre preferiram a vida de aventura.

- Se sabias selar aquele demónio, porque não fez no início, porque andou a brincar com a situação?
- Eu já disse, queria deixar tudo mais interessante! - A mordoma respondeu, sorrindo e demonstrando sua boca desdentada.


0 comentários: